terça-feira, 23 de novembro de 2010

Um amor conquistado

(Clarice Lispector)

"[...] Era um quati que se pensava cachorro. Às vezes, com seus gestos de cachorro, retinha o passo para cheirar coisas, o que retesava a correia e retinha um pouco o dono, na usual sincronização de homem e cachorro. Fiquei olhando esse quati que não sabe quem é. Imagino: se o homem o leva para brincar na praça, tem uma hora que o quati se constrange todo: "mas, santo Deus, por que é que os cachorros me olham tanto?" Imagino também que, depois de um perfeito dia de cachorro, o quati se diga melancólico, olhando as estrelas: "que tenho afinal? que me falta? sou tão feliz como qualquer cachorro, por que então este vazio, esta nostalgia? que ânsia é esta, como se eu só amasse o que não conheço? [...]"

4 comentários:

  1. Gosto da Clarice, grande Clarice.

    Obrigado pela visita, passarei mais vezes por aqui.

    Gostei do Ira, quase um manifesto.

    abs

    ResponderExcluir
  2. Clarice transforma as ideias mais absurdas em sensações tão palpáveis que impressionam.

    ResponderExcluir
  3. ola
    fiz um blog novo e adoraria ver sua presença por lá
    se gostar me segue por favor
    www.amorimortall.blogspot.com
    beijinhus

    ResponderExcluir
  4. Tbm sou fã dessa Clarice danada, que me encanta e me apaixona...

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário.