segunda-feira, 12 de março de 2012

Risco transversal

De repente as veias foram se abrindo, espasmadas em um grito-jorro de cor carmim. Não, ela não cortou os pulsos. Não, ela não queria tão ardentemente morrer. Só que suas veias abriram, no meio da tarde quente e azul.

Um problema.

Curiosa, ela olhou a pele na base de suas mãos. E dali o sangue lhe fugia todo. Não gritou. Não correu buscar ajuda. Não estancou a hemorragia com a revolta dos que se querem vivos. Sentou calma. Olhou as mãos vermelhas. A grama vermelha. Suas pernas vermelhas. Seus pés vermelhos. A pele dos braços cada vez mais branca. E esperou.

Quando o sangue já era só uma gota a pingar pelo dedo anelar, notou, aliviada, que já não sentia mais dor.

5 comentários:

  1. Virou outra coisa...
    A mais forte e a mais certa, talvez.
    Virou outro suspiro.
    Virou outra página.
    Virou quem deveria sempre ter sido.

    (ah... te ler em alguns momentos é PIRANTE... amo).

    S

    ResponderExcluir
  2. O que pode querer desesperadamente não sentir...

    ResponderExcluir
  3. respiro, leio de uma vez só. *suspiro

    ResponderExcluir
  4. nossa, isso me lembra muito algo que escrevi um tempo atrás... o sangue escorria pelo dedo médio, e havia um certo alívio em sentí-lo daquela maneira, gotejando e se libertando dela...

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário.