quinta-feira, 16 de maio de 2013

Para maritacas


Lívidas, as maritacas esperavam que o chefe do bando desse, enfim, uma sentença. Palavras como “expulsão” e até “morte” pululavam em suas cabeças coloridas. O chefe, muito austero, repassava mentalmente história toda, longa e vermelha.

Começara assim: haviam feito uma seleção entre todas as maritacas do bando para que uma fosse escolhida para instruir os filhotes em seus primeiros voos. Depois de alguns testes, Lola foi a escolhida.

Acontece que, embora tenha se saído bem nos testes teóricos, Lola era, na prática, uma desavoada. Lola não conseguiria ensinar sequer um avião a levantar voo. E olha que eles nem sequer nascem filhotes!

Pobres Maritaquinhas.

Elas não aprendiam. Não aprendiam simplesmente. E isso era uma dificuldade para o bando todo. As maritacas cresciam sem aprender a voar e, portanto, precisavam ser alimentadas, alimentadas e alimentadas por outros. E que fome tinham!

As primeiras alunas de Lola já eram quase adultas e não arriscavam sequer um rasante. Cobrou-se que Lola as fizesse voar. Fosse da maneira que fosse.

Lola, pressionada, fez com que suas alunas subissem no galho mais alto da árvore mais alta do morro mais alto da floresta já alta em que viviam.

De lá, ela as atirou, uma a uma, para que voassem. Era um método medieval, é preciso admitir, mas se funcionara antes, por que não agora?

Péssima ideia.

Morreram todas.

As raízes da árvore mais alta do morro mais alto da floresta já alta transformaram-se em cenário de catástrofe. Eram penas, asas, pés e biquinhos todos espedaçados e rubros de sangue.

Os fatos todos foram levados ao chefe do bando.

— Mais de cinquenta, Senhor. Mais de cinquenta. Lola não respeitou sequer as maritaquinhas que nem pena tinham. Ela as atirava e atirava e atirava. Se soubesse ensinar, não teria feito o estrago que fez. — Dizia uma.

— Ela é uma incompetente, senhor. Por pouco não jogou até meus ovos lá de cima! Algo precisa ser feito. Não queremos mais essa louca instruindo os voos de nossos filhotinhos. — Dizia outra.

O chefe pensou, pensou e pensou. Lola fizera o teste. O teste garantia que Lola ficasse no bando. Lola não podia ser rebaixada. Lola não podia perder sua função. Ao mesmo tempo, Lola não podia continuar com aquilo, ou terminaria com os filhotes todos. O que fazer de Lola?

Emplumando-se bem, o chefe perguntou:

— Digam-me, quando fui escolhido chefe, não era Lola quem gritava meu nome por entre as maritacas?

— Sim, Senhor, mas.... — responderam as outras.

— E não era ela quem dava algumas minhocas gordas aos indecisos para que me escolhessem também?

— Sim, mas...

— E não foi ela que falou bem de mim no alto dos galhos?

— Sim, mas...

— E não é ela a filha do meu grande amigo Mataco?

— Sim, mas...

— Mas nada! Já tomei minha decisão. Lola não será mais instrutora de voo – até porque essa chacina não pode continuar. Lola agora será fiscal das instrutoras de voo! Nomeiem outras dez maritacas, competentes(!), por favor, competentes(!), para que instruam os vôos. Lola fica responsável apenas por fiscalizar todas elas.

— Mas senhor, se ela não sabe nem ensinar, como vai fiscalizar?

— Por acaso isso é um desafio às minhas ordens? Vocês querem ser expulsas do bando?

— Não, não senhor...

Lá foram as maritacas, cabeças baixas, penas pálidas, cumprirem as ordens do chefe do bando. As maritacas mais competentes ganharam centenas de maritaquinhas cada uma. Deveriam instruí-las, não importava como. O chefe queria resultados, resultados! Mais aves para pegar comida! Mais aves para defender o bando! Vamos, maritacas, vamos, voando agora!

As instrutoras se desdobravam como podiam. As que se saiam melhor, recebiam mais cem alunos (sem que sua porção de grãos aumentasse um cisco sequer). A fiscal, Lola, desfilava entre elas, gorda (o cargo triplicara seus grãos de direito), enfeitada até com plumas de arara, mandando, ensinando e cobrando resultados.

As maritacas instrutoras gritavam, insatisfeitíssimas. Grasnavam até. “Assim não dá! Assim não dá! Assim não dá!”. Eram, porém, prontamente caladas. 

Lola cantava contente e cada vez que o chefe perguntava, ela se apressava em dizer: 

— Tudo correndo às mil maravilhas, Senhor. As maritacas estão satisfeitíssimas com seus cargos e seus salários. Fazem aulas de vôo que dão gosto de ver! São incríveis! E as maritaquinhas, então, dão até pirueta no ar. Apenas algumas não voam... Mas o problema é das instrutoras, o senhor sabe como é. Nem todas são competentes como eu...

Tudo mentira. Lola sequer olhava o trabalho das coitadas. Apenas sentava em seu ninho e pedia que não a incomodassem.

Mas o chefe acreditava, também sentadinho em seu ninho, sem conferir nada de perto. Acreditava em tudo e se orgulhava da promoção de Lola. Afinal, encontrara a vocação daquela desavoada. Ele ria, satisfeito, grande, gordo...

Outros problemas surgiram no bando e a mesma solução foi adotada. O vigilante que dormia no seu turno e não podia, por isso, continuar no cargo foi escolhido como supervisor dos vigilantes. Era um trabalho mais burocrático e mais afeito, portanto, aos cochilos. O coletor de comida mais imprestável foi colocado como supervisor de coleta, assim era só conferir a carga que os outros traziam. A maritaca que gritava totalmente fora de tom foi promovida a regente do coral, assim ficava de boca fechada.

O chefe, cada vez mais tranquilo, governava soberano do alto de seu ninho. Recebia relatórios lindos de seus subordinados, mais falsos do que maritacas amarelas. Nos galhos abaixo, a desordem, a incompetência e o caos chefiavam mais do que ele. Mas não por muito tempo. 

As coletas passaram a ser uma bagunça, as instrutoras não conseguiam dominar as maritaquinhas e não podiam contar em nada com a fiscal, o coral nunca mais conseguiu alcançar o tom, outros animais invadiam o bando e matavam às dezenas, sem que os vigilantes vissem qualquer coisa, afinal, faziam o que queriam enquanto o supervisor dormia.

Não muito tempo depois, o chefe chamou suas maritacas assessoras e conselheiras, queria saber como andava o bando. 

Nada. 

Chamou de novo.

Nada.

Ele então notou como andavam silenciosas as maritacas... Mas que diabos estava acontecendo? Desajeitado, o chefe desceu do ninho para ver o que havia com o seu bando...

Não havia, não havia mais bando. 

No império da incompetência, do descompromisso e do descaso, a fome, a falta de instrução, de vigilância e de melodia (sim, até de melodia) foram matando uma a uma as maritacas.

Abismado, o chefe (agora de ninguém) antes tão risonho e valente sussurrou trêmulo:

— Mas morreram... todas...

E foram essas as suas últimas palavras, ouvidas apenas pelo jaguar que o abocanhou.

Um comentário:

  1. Absurdamente perfeito. E como o Brasil tem essas maritacas supervisoras.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário.